Shop Mobile More Submit  Join Login
About Literature / Artist RaimundoMale/Portugal Recent Activity
Deviant for 9 Years
Needs Core Membership
Statistics 6 Deviations 0 Comments 1,264 Pageviews
×

Newest Deviations

Literature
Anonimato
Cheguei,
Vindo do nada,
Sou só mais um...
Sentei-me na poltrona
Leve e suada,
Acendi um cigarro lentamente...
Pensei nas horas perdidas
E sorri de prazer...
Sou só mais um...
Sujei os pensamentos
Com ó pó da minha mente...
Queimei a esperança
Com a ponta do frio cigarro...
Nasci, morri e nasci de novo,
Queimei as horas com pudor,
Sonhei os sonhos do meu ser,
Imaginei como viver no mundo,
Queimei os momentos passados
E pensei em ser... e vi...:
Sou só mais um...
Não vou voltar,
Não sinto o regresso a mim!
Se me vou, vou e não sei!
Vou e esqueço quem sou... quem somos...
Vou! Vindo do nada...
Mergulho na multidão e percebo...:
Sou só mais um...
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 1 0
Literature
Funny, funny...
Funny, funny, whispers the bunny!
Blood is running
Everything's burning
Wounds are made
And lights begin to fade
Funny, funny, whispers the bunny!
Its eyes are red
It's time to go to bed
The poor child cries
And my bunny tells lies
Funny, funny, whispers the bunny!
Puke and blood
After swallowing mud
Everyone is dead
And Nature is mad
Funny, funny, whispers the bunny!
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 0 0
Literature
Lobos II
Que não cessem os olhares dúbios
Que não cessem as palavras mortas
Á falta de ser, a falta de pensar
Junta trejeitos de inutilidade
Que de nada fazem valer a razão!
Tristes! Tristes as madrugadas mortas,
As marcas podres da existência
Que fazem indagar a razão de ser!
Fracas! Fracas as questões impertinentes,
As pratas sujas na sala de estar do prazer
Que de dor é nutrida!
Oh pobre lobo que esperas
O olhar vago da criança que não sabe ser!
A lágrima ácida daquele que te espera sem saber!
De que te esqueceste malvado lobo?
De que te escondes agora,
Que a chama da dor invade o peso
Do desejo!
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 0 0
Literature
O quarto que cheirava a morte
Aquele quarto cheirava a morte...
As paredes brancas,
Sujas da respiração ofegante da velhice
Eram tapadas
Com cetim de veneno...
Ali, ninguém vivia sem pensar...
Sem imaginar como será
Sentir a morte
A cada suspiro...
Cada noite era um passo...
Caminhavam através da vida
Sem mais pensar no passado,
Temiam o (não) acordar
E pediam mais um dia...
O tempo ali não passava...
Já estava todo gasto
E o que não estava,
Já nem tempo era
Pois o tempo de nada vale sem tempo...
Aquele quarto cheirava a morte...
E as paredes de cetim
Cheiravam a dor
A horas passadas sem nada para dizer
Sem planear o futuro que não existia...
Já estava tudo sabido ali...
Já todos sabiam que não havia amanhã,
Nem tempo para pensar nisso.
Tudo se tornara fútil
E a futilidade queimava as horas...
Cada hora era um passo
Cada passo era uma esperança...
Tudo seria melhor
Que estar morto a respirar...
Num quarto que cheira a morte...
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 0 0
Literature
Madrugada
Frio, as portas da cidade
Abrem-se à luxúria da morte.
De entre a passada leve e sombria da alma
A ténue luz da manhã nasce com novas sombras,
Novos amuletos de sonhos em mausoléus.
As portas da cidade abrem-se
E o cheiro a podre
Esconde-se detrás do fumo.
A calçada chora as horas perdidas
E a solidão queima As pálpebras da esperança
O vento invade os olhos da dor.
A lua indecisa
Deixa morrer a última fagulha do desejo
Que ateia o Sol em mais um dia de fraquesa.
Já faltam as horas de pensar e de ser.
Escoam nos espelhos
Pedaços da alma que não tenho.
Perdida, está a fonte
Da eterna devoção e fidelidade.
Sorte é o que nos espera a estrada,
Em que os sons fatais acalmam a dor.
Quando se for,
Não haverá nada para contar a solidão.
Só esperar o amarelo ofuscante
Da madrugada que eu não esperava...
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 0 0
Literature
Lobos
Esquecemo-nos de contar as palavras...
Esquecemo-nos de desvendar as luzes...
Já não se vive, já não se morre!
Já não se espera e já nao se sofre!
Já não se é e já não se foi.
Atrás da vidraça, o lobo da morte
Rouba dos cheiros a dor de quem ouve
Dos incrédulos gemidos falsos
Uma esperança de algo melhor
Ele não foge, ele não corre...
Ele não espera nem sofre!
Ele não vive nem morre!
Esqueceu-se de desvendar as luzes...
Esqueceu-se de contar as palavras...
Ele és tu e tu és ele
Já não há vitral que separe o cheiro da dor
Já não há esperança falsificada em amor
Só o sangue, e o desejo!
Raimund0 4/Mar/2008 1:14
:iconRaimund0:Raimund0
:iconraimund0:Raimund0 0 0

Favourites

No Favourites yet.

Activity


deviantID

Raimund0
Raimundo
Artist | Literature
Portugal
Current Residence: Torres Vedras
Favourite genre of music: Grunge, Alternativo, Rock, Metal, Indie
MP3 player of choice: Anyone
Favourite cartoon character: Vejeta (from Dragon ball)
Interests

Journal

No journal entries yet.

Comments


Add a Comment:
 
:iconcolher-de-cha:
colher-de-cha Featured By Owner Feb 11, 2009
hey check out that blog i tried to show u yesterday lol.. CLICK HERE
Reply
:iconcolher-de-cha:
colher-de-cha Featured By Owner Feb 10, 2009
SEE WHO YOUR SECRET LOVE IS FOR VALENTINES. I JUST FOUND OUT MINE.

CLICK HERE TO FIND YOURS
Reply
:iconcolher-de-cha:
colher-de-cha Featured By Owner Feb 8, 2009
What's up
I took this new free iQ quiz my friend showed me. you should check it out. just CLICK HERE TO TAKE THE FREE IQ TEST
Reply
:iconcolher-de-cha:
colher-de-cha Featured By Owner Feb 7, 2009
Hey. this person wrote something about you in their blog.. CLICK HERE
Reply
:iconcolher-de-cha:
colher-de-cha Featured By Owner Feb 7, 2009
Hey. this person wrote something about you in their blog.. CLICK HERE
Reply
:iconinhip:
Inhip Featured By Owner Sep 22, 2008
Poe o poema da murtalha (:
Anyway, estao todos um espectaculo .
Reply
Add a Comment: